Pesquisa

PROJETOS DE PESQUISA
TÍTULO DO PROJETO INFORMAÇÕES
COMPETÊNCIA MOTORA E FUNÇÕES EXECUTIVAS EM CRIANÇAS  

Ao longo de sua trajetória de vida, o ser humano passa por um processo de constante transformação. Esse processo está diretamente relacionado com sua idade cronológica e por meio dele ocorre à aquisição das habilidades motoras. Essas habilidades progridem de movimentos básicos para movimentos elaborados. Quando o indivíduo executada determinada habilidade com maestria ele é considerado competente. As funções executivas são conceituadas como um conjunto de habilidades cognitivas que possibilita ao indivíduo direcionar ações, de forma intencional, em relação a um objetivo ou demanda ambiental. Como esses processos seguem determinada progressão ao longo da vida o objetivo desse trabalho é verificar a relação entre as funções cognitivas e competência motora de crianças, comparando por idade e por gênero. Participarão desse estudo alunos do 3° e 4° ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Oscar Botelho do município de Lavras-MG. Esses alunos serão submetidos ao teste TGMD-2 que busca estimar a competência motora dos indivíduos. Para avaliar as funções executivas será utilizada a tarefa “GO, No-Go” do equipamento MOART para controle inibitório, o Trail Making Test para flexibilidade congnitiva e o teste “n-Back” para memória de trabalho. Acredita-se que exista uma relação entre competência motora e as funções executivas do cérebro. Assim, espera-se que crianças com baixos resultados de funções cognitivas apresentem também baixa competência motora.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Alessandro Teodoro Bruzi

Telefone: (35) 3829-1698

bruzi@def.ufla.br

 

AVALIAÇÃO COGNITIVA E PSICOSSOCIAL DE ATLETAS JOVENS: IMPLICAÇÕES PARA O TREINO  

A promoção de atletas no Voleibol, por parte dos treinadores, tem sido baseado no “olhar” clínico e em variáveis cineantropométricas. Tavares e Bruzi (Relatório PIBIC/CNPq 2016-2017) avaliaram o desempenho cognitivo e psicossocial de atletas jovens de Voleibol feminino a fim de complementar o diagnóstico de rendimento elaborado pelo treinador da equipe e identificaram que os tempos de reação das atletas é mais lento que o apresentado por atletas, em geral; que as atletas tem apresentado sintomas relacionados ao estresse crônico provocado pela prática sistemática do esporte; e que a maioria das atletas mudaria ou abandonaria o esporte pela dificuldade de conciliar a prática com o estudo. Portanto, resolveu-se dar sequência na pesquisa realizada Tavares e Bruzi (Relatório PIBIC/CNPq 2016-2017) a fim de verificar se esses resultados teriam relação com a posição de jogo da atleta dentro da equipe e se o tempo de reação poderia ser reduzido e os sintomas relacionados ao estresse crônico e possíveis motivos de mudança ou abandono do Voleibol poderiam ser amenizados em função de alterações na elaboração e condução do treino por parte do treinador.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Alessandro Teodoro Bruzi

Telefone: (35) 3829-1698

bruzi@def.ufla.br

 

DIFERENÇAS INDIVIDUAIS E A APRENDIZAGEM MOTORA  

Aptidão cognitiva dos aprendizes pode interferir no processamento de informação, no desempenho e aprendizagem motora humana? Para investigar essa questão, adotar-se-á um estudo delineado com a participação inicial de 100 indivíduos voluntários, universitários, de ambos os sexos. Em um primeiro momento, todos os indivíduos terão o seu Tempo de Reação de Escolha (TRE) avaliado para determinação da aptidão cognitiva em função da velocidade de processamento. Em um segundo momento, os vinte indivíduos com menor TRE integrarão o grupo Aptidão Cognitiva Alta (ACA) e os vinte indivíduos com maior TRE integrarão o grupo Aptidão Cognitiva Baixa (ACB). Ambos os grupos serão submetidos a uma situação de aprendizagem de uma habilidade motora seriada. Além disso, todos os participantes de ambos os grupos terão autonomia para controlar o uso de uma instrução visual que potencializa o processo de aquisição da habilidade motora. Esse experimento consistirá de fase de aquisição e testes de aprendizagem. Os efeitos desse experimento serão avaliados por meio de medidas de desempenho e complementares.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Alessandro Teodoro Bruzi

Telefone: (35) 3829-1698

bruzi@def.ufla.br

 

POR UMA MEMÓRIA INSTITUCIONAL: A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFLA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS/MG)  

O presente trabalho de investigação alvitrará por resgatar, descrever e registrar a trajetória (histórica) do curso de licenciatura em Educação Física da Universidade Federal de Lavras/MG. Em primeiro plano, sua justificativa dar-se-á em razão de salvaguardar a história institucional do curso de Educação Física da UFLA. Por efeito, ao assegurar o registro da história institucional, a pesquisa permitirá transformar as reminiscências individuais dos autores/atores que instituíram o curso, em registros empíricos, ou melhor, na construção da memória social. Sabe-se que memória tem uma dimensão individual, contudo, seus referentes são sociais e são eles que permitem que, além da memória individual, tenhamos também uma memória intersubjetiva, ou por assim dizer, uma memória coletiva, que potencialmente pode ser o ancoradouro para memória institucional (HALBWACHS, 1990).Ao passo que, ao resguardar os aferentes da memória,que é diretamente afetada por vários fatores, podendo sofrer perdas, desapegos e esquecimentos, os resultados erigidos e cotejados pelo presente projeto de pesquisa, atuar-se-ão como agente de combate à marcha inexorável do tempo, a fim de que ele, o tempo, não dissolva ou extinga um conteúdo histórico tão importante para identidade de uma instituição formativa, nem tão pouca que a mesma seja retratada ao som de polifonias difusas, ou percepções isoladas, mas cuidadosamente arquitetada e registrada, sob a ótica acurada da História Oral, enquanto método científico. Destarte, subsidiados epistemologicamente pelos estudos sobre memória, nas duas denominações mais comumente usadas, “Memória Coletiva” (HALBWACHS, 1990) e “Memória Social” (OLICK; ROBBINS, 1998), a partir de uma abordagem qualitativa, e por meio do método da História Oral, entrevistaremos discentes, docentes, técnicos, gestores, entre outros personagens que constituíram a história do curso de licenciatura em Educação Física da UFLA, desde a sua fundação, até os dias atuais. Os relatos e documentos cotejados nos permitirão registrar e compreender a trama/tessitura histórica que envolvera a instituição e o curso.

 

Coordenadores:

Prof. Dr. Kleber Tuxen Carneiro Azevedo

Telefone: (35) 3829 5270

kleber.azevedo@def.ufla.br

 

Prof. Dr. Bruno Adriano Rodrigues da Silva

Telefone: (35) 5269-3829

bruno.rodrigues@def.ufla.br

 

SATISFAÇÃO COM IMAGEM CORPORAL E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE PRATICANTES DE ATIVIDADES FISICAS EM ACADEMIA  

A imagem corporal é a forma como vemos nosso corpo, ela é idealizada de forma multidimensional, avaliada subjetivamente e influenciada por indicadores físicos, por terceiros e por indicadores socioeconômicos. A prática de atividade física é uma das ferramentas dentre outras várias que se destaca como uma técnica para a busca da imagem corporal “ideal”. A aula de Bike Indoor, uma modalidade que se destaca entre as ginásticas de academia, uma aula muito procurada por praticantes frequentes de atividades físicas devido a sua fácil execução e melhor controle da intensidade da aula através do manuseio das cargas. Objetivou-se nesse estudo comparar o Índice de Massa Corporal antes e depois. A pesquisa busca alunos de bike indoor, onde os mesmos serão submetidos a medida do Índice de Massa Corporal inicial e assim instruídos a frequentar as aulas com uma frequência semanal de 3 a 5 vez por semana durante três meses. Após os três meses de prática o aluno será submetido novamente ao cálculo do Índice de Massa Corporal para averiguar se houve mudanças na variável. Em seguida será aplicado o Body Shape Questionnaire para a avalição do Nível de Satisfação Corporal. Nos resultados, deve ser observado se haverão mudanças no Índice de Massa Corporal após a prática regular de Bike Indoor e a analise da correlação entre Índice de Massa Corporal e Nível de Satisfação Corporal para os sexos masculino e feminino.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Luiz Henrique Rezende Maciel

Telefone: (35) 3829-5268

lhrmaciel@hotmail.com

 

INICIAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE: ANÁLISE PSICOSSOCIAL DE PRATICANTES DE GINÁSTICA AERÓBICA  

Serão estudados neste projeto de pesquisa, os aspectos psicossociais que diferenciam ou não, os praticantes de atividade física, dos iniciantes em um programa de esporte de alto rendimento em Ginástica Aeróbica. A amostra será constituída de meninas de 6 a 12 anos praticantes de Ginástica Aeróbica. A pesquisa passará por dois momentos: a aplicação do Questionário de Motivos de Inicio, Persistência, Mudança e Abandono desportivo versão brasileira (MIMCA-BR) de caráter quantitativo. Com aplicação do MIMCA-BR será possível descobrir os motivos que levaram o início, continuação, mudança e abandono de uma prática esportiva. E também, será possível estabelecer diferenças entre variáveis, como sexo, idade, tempo de prática, modalidade esportiva e intensidade de treinamento – seja iniciação esportiva ou esporte competitivo. Esse estudo servirá de base para entender como essas variáveis serão ou não determinantes no processo de escolha e permanência na prática. Espera-se que a especialização precoce não influencie em questões relacionadas a manutenção, mudança e abandono da prática. Palavras-chave: Ginástica Aeróbica. Especialização Precoce. Aspectos Psicossociais.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Luiz Henrique Rezende Maciel

Telefone: (35) 3829-5268

lhrmaciel@hotmail.com

 

POTENCIALIDADES EDUCATIVAS DA ATIVIDADE DE AVENTURA: REFLEXÕES SOBRE OS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO EDUCACIONAL  

Quando tratado em âmbito escolar, as atividades de aventura podem ser desenvolvidas como conteúdo da Educação Física, com dimensões conceituais e, também, como momento de lazer. Sem muito problematizar, a prática se torna o fazer por fazer, como por exemplo, as caminhadas até uma praça ou parque da cidade para realizar um piquenique. Não há uma reflexão sobre essa prática como atividade de Aventura nem, ao menos, uma consciência ética dos impactos ambientais.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Raoni Perrucci Toledo Machado

Telefone: (35) 3829-5267

raoni@def.ufla.br

 

COMPETÊNCIA E VOCAÇÃO PARA O ALTO RENDIMENTO NO VOLEIBOL: DETECÇÃO DE TALENTOS E FORMAÇÃO DE BANCO DE DADOS  

O projeto “Competência e vocação para o alto rendimento no voleibol: detecção de talentos e formação de banco de dados” que é coordenado pelo Professor Marcelo de Castro Teixeira, Doutor em Ciência da Motricidade Humana pela Universidade Pedro de Valdívia (Chile), será executado na Universidade Federal de Lavras e contará com a colaboração da Federação Mineira de Voleibol (FMV). Com o intuito de demonstrar sim que o avanço nas Ciências do Esporte pode contribuir para o esporte brasileiro, esse projeto se propõe a gerar conhecimento de caráter aplicado para atuação profissional. Mais especificamente, este projeto visa mapear e formar um banco de atletas que apresentem competência e vocação para a prática do voleibol de alto rendimento no estado de Minas Gerais, que sejam potenciais atletas para as futuras seleções nacionais.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Alessandro Teodoro Bruzi

Telefone: (35) 3829-1698

bruzi@def.ufla.br

 

FEEDBACK AUTOCONTROLADO E APRENDIZAGEM DO SAQUE DO VOLEIBOL  

O presente estudo objetiva testar a hipótese de que os participantes da condição autocontrolada apresentarão uma melhor e mais persistente aprendizagem do saque do voleibol por ter solicitado o feedback no momento mais adequado e processado essa informação de forma diferenciada quando comparada à condição externamente controlada. Para isso, os aprendizes serão distribuídos ao grupo Autocontrolado ou ao Yoked e serão submetidos á prática do saque do voleibol durante uma fase de aprendizagem e a testes de aprendizagem ao longo de um mês. Os participantes serão melhor avaliados na medida em que aumentarem a qualidade da execução do padrão de saque e atingirem maior pontuação em um alvo disposto no solo, do outro da quadra. A necessidade em relação à solicitação de feedback por parte do grupo Autocontrolado e a finalidade da solicitação serão avaliadas por meio de questionário.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Alessandro Teodoro Bruzi

Telefone: (35) 3829-1698

bruzi@def.ufla.br

 

 

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA DE ATLETAS DE GINÁSTICA AERÓBICA – IACFA-GAE  

Trata-se de uma proposta de criação e validação de um conjunto de testes físicos a fim de avaliar a condição de atletas da modalidade esportiva Ginástica Aeróbica.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Luiz Henrique Rezende Maciel

Telefone: (35) 3829-5268

lhrmaciel@hotmail.com

 

ANÁLISE DA TOMADA DE DECISÃO DE LEVANTADORES NO VOLEIBOL MASCULINO OLÍMPICO  

Esse projeto tem como objetivo analisar a tomada de decisão dos levantadores do naipe masculino, que participaram dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Para tal, utilizará como método a análise das gravações dos jogos.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Marcelo de Castro Teixeira

Telefone: (35) 3829-1298

marceloc@def.ufla.br

 

EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA ASCARIDÍASE: REPERCUSSÕES PATOLÓGICAS E IMUNOLÓGICAS  

A toxocarose e ascaridose humana são importantes helmintoses causada pelas larvas de Toxocara canis e Ascaris lumbricoides, respectivamente. A infecção ocorre por meio de ingestão acidental de ovos embrionados. O exercício físico está associado com inúmeros benefícios para a saúde, melhorando a aptidão física e estimulando fatores imunológicos que podem auxiliar a resposta imunológica de combate ao parasito. Dessa forma, o objetivo desse estudo é avaliar o efeito do exercício físico na resposta imunológica na infecção experimental por ascarídeos para a compreensão dos eventos imunopatológicos. Serão utilizados camundongos adultos (8 semanas) da linhagem BALB/c divididos nos seguintes grupos: Sedentário sem infecção (CONTROLE), Sedentário com infecção (INF), Exercício sem infecção (EX e EX-EX), Exercício com infecção (INF-EX), Infectado com exercício prévio (EX- INF) e Infectado com exercício prévio e treinado (EX-INF-EX). A infecção será com 100μL de solução contendo ovos embrionados por via intragástrica (gavage). O treinamento de natação será realizada na intensidade moderada de exercício físico, sendo classificadas pela duração do treino (1 sessão/dia de 90 minutos sem carga adicional). Os camundongos serão mortos nos 7 e 14 dias pós-infecção (dpi) para caracterização da migração das larvas. O sangue será coletado para análise hematológica e para determinação do perfil de citocinas sistêmicas. O cérebro, fígado e pulmões serão retirados para análise histopatológica, para determinação do perfil de citocinas tecidual e para recuperação e contagem das larvas. Espera-se que o exercício físico possa potencializar o sistema imunológico para proporcionar ao organismo uma tolerância de forma mais adequada os danos causados pelos eventos inflamatórios da infecção helmíntica.

 

Coordenadora:

Profa. Dr. Nathália Maria Resende

Telefone: (35) 3829-5124

nathalia.resende@def.ufla.br

 

 

LIMIAR DE LACTATO, LIMIAR ELETROMIOGRAFICO NO EXERCICIO RESISTIDO E ESTEIRA E TESTE EM PISTA EM CORREDORES  

Introdução: A corrida de rua ou em pista é hoje um dos esportes mais praticados em todo mundo. Essa popularidade fez com que a prescrição dos treinamentos voltados para melhora de rendimento ganhassem mais importância e atenção. Sendo assim, a associação entre parâmetros de desempenho metabólicos e neuromusculares é uma forma interessante de compreender os limiares de transição (lactato e eletromiográfico) e consequentemente a melhora do rendimento dos corredores. Contudo, nenhum protocolo de resistência de força específico para este tipo de prova foi encontrado. Objetivos: Identificar o efeito de um protocolo agudo de treinamento de resistência neuromuscular no desempenho de corredores de 5km. Métodos: participarão do estudo 20 homens com tempo entre 15 e 25 minutos nos 5km e que possuam experiência em treinamento de força e não tenham nenhuma lesão osteoarticular. Em um primeiro momento, os voluntários realizarão uma avaliação antropométrica juntamente com o teste de força dinâmica máxima (teste de 1RM); Numa segunda etapa, os voluntários farão um protocolo incremental no aparelho de Leg Press 45 (LP) para aquisição do limiar eletromiográfico e lactato. Em um terceiro momento os voluntários realizarão um teste progressivo em esteira para aquisição do limiar anaeróbio, para correlação com a velocidade média dos testes de 5km. Em um quarto momento realizarão o primeiro teste em pista de 5km no contra relógio, para aquisição dos dados pré protocolo de treinamento. No quinto momento, os indivíduos realizarão o protocolo de resistência no LP. Ao final, (30min, 48h, 96h e 144h) após o protocolo de treinamento de resistência no LP, serão realizados os testes de 5km no contra relógio em pista para as comparações pré e pós intervenção do LP. Conclusão: Espera-se obter piores resultados das variáveis obtidas em relação à corrida de 5km 30min após (PE). Os resultados de 48, 96 e 144 h, serão semelhante ou mesmo melhores do que os obtidos antes do (PE).

 

Coordenador:

Prof. Dr. Sandro Fernandes da Silva

Telefone: (35) 3829-5132

sandrofs@def.ufla.br

 

IMPLICAÇÕES DE DOIS PROTOCOLOS DE POTENCIALIZAÇÃO PÓS-ATIVAÇÃO NO RENDIMENTO NEUROMUSCULAR E METABÓLICO  

Introdução: o treinamento resistido é caracterizado como a melhor estratégia para ganhos de força e hipertrofia, com isso promove efeitos benéficos em âmbito da saúde e esportivo, porém ao passo que aumenta a experiência no treinamento, a expressão das adaptações morfológicas também diminui, com base nisso são desenvolvidas técnicas avançadas de treinamento afim de aumentar os efeitos. A Potencialização Pós-Ativação (PPA) é descrita como aumento de desempenho em efeito agudo a uma atividade condicionante geralmente curta e intensa, há informações onde é relatado eficiência de protocolos com contrações isométricas e isotônicas na ativação desse mecanismo. Porém a literatura não dispõe de informações concretas sobre a efetividade desse mecanismo no treinamento resistido, uma vez que as tarefas motoras avaliadas são esportivas ou que necessitem da resultante força e velocidade. Objetivos: analisar os efeitos de dois protocolos de potencialização pós-ativação no rendimento neuromuscular e metabólico do treinamento resistido. Métodos: O estudo será feito com 20 voluntários do sexo masculino treinados em treinamento resistido (experiência igual ou maior que 2 anos), onde todos realizarão todos os protocolos sugeridos pelos autores. Será iniciado com a assinatura do Termo de Consentimento de Livre Esclarecimento (TCLE) e caracterização da amostra (peso, estatura, composição corporal, potência, contração voluntária isométrica máxima e força dinâmica máxima), para a aplicação dos protocolos experimentais 48h após a caracterização, será feita a aleatorização das amostras, onde serão divididas em pares e ímpares, os primeiros farão o protocolo de potencialização com contração isométrica (3 séries de 3 segundos de contração isométrica máxima e 2 minutos de intervalo) e os outros farão o de contração isotônica (2 séries de 2 repetições a 90% de uma repetição máxima e 2 minutos de intervalo) após 144h, os indivíduos que fizeram um protocolo farão o outro. Serão analisadas variáveis neuromusculares, metabólicas e hemodinâmicas na aplicação da potencialização (eletromiografia, potência muscular, lactato e frequência cardíaca). Após um intervalo de 4 minutos da realização dos protocolos de potencialização, será realizada a intervenção do treinamento resistido, que consistirá na execução de 4 séries da metodologia tri-set com 2’:15” de intervalo, os exercícios serão direcionados para membros superiores (voador peitoral, supino horizontal e supino inclinado respectivamente), a carga utilizada em todos os exercícios será de 70% de uma repetição máxima e será monitorado para que os voluntários realizem o máximo de repetições possíveis. As variáveis verificadas na intervenção do treinamento serão neuromusculares, metabólicas, hemodinâmicas, mecânicas e de estado subjetivo (eletromiografia, potência, lactato, frequência cardíaca, número de repetições, percepção subjetiva de esforço e dor muscular de início tardio respectivamente). Conclusão: os resultados esperados são de maiores benefícios no desempenho após protocolo de contrações isotônicas, com isso possibilitando uma maior reprodutibilidade do presente estudo no dia a dia dos treinadores e alunos, uma vez que são necessários aparelhos específicos para a aplicação do de contrações isométricas. Além de esperar maiores resultados nos marcadores de desempenho no treinamento resistido, configurando em novas ferramentas para o aumento das adaptações em indivíduos treinados.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Sandro Fernandes da Silva

Telefone: (35) 3829-5132

sandrofs@def.ufla.br

 

FEEDBACK AUTOCONTROLADO E APRENDIZAGEM DO SAQUE DO VOLEIBOL  

O desenvolvimento de protocolos para melhorar o processo de aprendizagem motora é crucial para aumentar a aquisição e reaquisição de habilidades. Recentemente, um determinado protocolo tem se destacado por sua efetividade em pesquisas em aprendizagem motora por permitir o aprendiz ter controle sobre algum aspecto do contexto de prática (para uma maior compreensão do tema, veja as revisões de Sanli, Patterson, Bray & Lee, 2013; Wulf, 2007). A permissão mais comum que tem sido dada aos aprendizes é a de escolher quando receber feedback aumentado. Sem dúvida, o estudo seminal sobre prática autocontrolada e aprendizagem motora manipulou o controle sobre o feedback (Janelle, Kim, & Singer, 1995) e estudos mais recentes tem ampliado os conhecimento nessa linha (Aiken, Fairbrother, & Post, 2012; Ali, Fawver, Kim, Fairbrother, & Janelle, 2012; Carter & Patterson, 2012; Chiviacowsky, 2014; Chiviacowsky, Wulf, Machado, & Rydberg, 2012; Fairbrother, Laughlin, & Nguyen, 2012; Hansen, Pfeiffer, & Patterson, 2011; Hemayattalab, Arabameri, Pourazar, Ardakani, & Kashefi, 2013; Hodges, Edwards, Luttin, & Bowcock, 2011; Kaefer, Chiviacowsky, & de Miranda, 2014; Ma, Yiu, &Yiu, 2013; Patterson, Carter, & Sanli, 2011). Geralmente, esses estudos são delineados com um grupo Autocontrolado, no qual os participantes tem direito de solicitar feedback após cada tentativa de prática durante uma fase de aprendizagem, e outro denominado de Yoked, para o qual o fornecimento de feedback para cada integrante desse grupo ocorre de forma pareada a de um integrante do grupo Autocontrolado (nesse caso, os integrantes do grupo Yoked desconhecem esse pareamento, pois, acreditam que o fornecimento de feedback está ocorrendo totalmente controlado pelo pesquisador). Tipicamente, os aprendizes submetidos á condição de prática autocontrolada exibem melhor aprendizagem motora do que aqueles que aprendem sem ter a chance de autocontrolar um determinado recurso disponível no contexto de prática.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Alessandro Teodoro Bruzi

Telefone: (35) 3829-1698

bruzi@def.ufla.br

 

COMPETÊNCIA E VOCAÇÃO PARA O ALTO RENDIMENTO NO VOLEIBOL: DETECÇÃO DE TALENTOS E FORMAÇÃO DE BANCO DE DADOS  

O projeto “Competência e vocação para o alto rendimento no voleibol: detecção de talentos e formação de banco de dados” que é coordenado pelo Professor Marcelo de Castro Teixeira, Doutor em Ciência da Motricidade Humana pela Universidade Pedro de Valdívia (Chile), será executado na Universidade Federal de Lavras e contará com a colaboração da Federação Mineira de Voleibol (FMV). Com o intuito de demonstrar sim que o avanço nas Ciências do Esporte pode contribuir para o esporte brasileiro, esse projeto se propõe a gerar conhecimento de caráter aplicado para atuação profissional. Mais especificamente, este projeto visa mapear e formar um banco de atletas que apresentem competência e vocação para a prática do voleibol de alto rendimento no estado de Minas Gerais, que sejam potenciais atletas para as futuras seleções nacionais.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Alessandro Teodoro Bruzi

Telefone: (35) 3829-1698

bruzi@def.ufla.br

 

O DESENVOLVIMENTO DO CAMPO ESPORTIVO EM LAVRAS, MINAS GERAIS (1893-1937): UMA ANALISE COM BASE NA HISTÓRIA.  

O objetivo deste projeto de pesquisa é analisar o desenvolvimento do campo esportivo e educacional no município de Lavras, Minas Gerais, no período entre 1893 e 1937, tendo como objetos: o Instituto Evangélico de Lavras, criado em 1893 por missionários da igreja presbiteriana norte-americana e o Lavras Sport Club, associação fundada em 1913 por ex-alunos dessa instituição. Trabalhamos com a hipótese de que foi o Instituto Evangélico a via de introdução do esporte na cidade e que existe uma continuidade desse processo que associava o esporte à educação com a fundação desse clube.

 

Coordenadores:

Prof. Dr. Bruno Adriano Rodrigues da Silva

Telefone: (35) 52693829

bruno.rodrigues@def.ufla.br

 

A INFLUÊNCIA DO CICLO MENSTRUAL NO TREINAMENTO DE ATLETAS DO ATLETISMO  

O estudo tem por objetivo verificar quais influências que o CM pode causar nas respostas da carga interna de treinamento e no rendimento de jovens atletas praticantes de atletismo, avaliando aspectos fisiológicos e comportamentais. Serão avaliadas 15 atletas do sexo feminino, que já tenham passado pela menarca e treinam há no mínimo 1 ano. Os sujeitos serão avaliados em 4 momentos do projeto: no 1º momento será realizada a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, avaliação antropométrica e controle do ciclo menstrual e da carga interna de treinamento, durante 2 meses nas sessões de treinamento; no 2º momento ocorrerá a divisão do ciclo menstrual em cinco etapas, de acordo com as fases do ciclo menstrual sendo realizada em cada etapa (1ª etapa do 2º ao 4º dia; 2ª etapa do 11º ao até a ovulação; 3ª etapa do 12º ao 14º dia; 4ª etapa do 20º ao 22º dia; e 5ª etapa do 28º ao 29º dia) a avaliação antropométrica, avaliação do índice de TPM, avaliação da FCrep, avaliação da potência de membros inferiores, avaliação da FC a cada 1 hora durante a sessão de treinamento, avaliação do estado emocional e de humor pré e pós a sessão de treinamento, avaliação da carga interna de treinamento através da PSE do dia e da semana e do 11º dia até a ovulação serão analisados laboratorialmente os hormônios progesterona, estrogênio, hormônio folículo estimulante e hormônio luteinizante; no 3º momento haverá nova divisão do 2º ciclo menstrual, sendo realizada novamente as análises acima, seguindo os mesmos parâmetros já citados e; no 4º momento será divido o 3º e ultimo ciclo menstrual de análise, sendo realizada novamente as análises acima, seguindo os mesmos parâmetros já citados. Será realizada uma análise estatística descritiva de todas as variáveis com determinação da média e desvio padrão, como medidas de tendência central e de dispersão. A comparação entre os períodos será feita por ANOVA de medidas repetidas e análise da correlação de Pearson para determinação da associação entre as variáveis do estudo. Em caso de necessidade, poderão ser empregados testes não paramétricos correspondentes e em todas as análises o nível de significância será p0,05. O estudo traz como hipótese que as alterações nas fases do Ciclo Menstrual (CM) influenciam no rendimento de atletas do gênero feminino praticantes de atletismo, além de provocarem alterações fisiológicas, comportamentais e na carga interna de treinamento das mesmas.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829-5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA  

O procedimento avaliativo envolve a utilização de testes cujos resultados são classificados de forma quantitativa, sendo para isso necessárias fórmulas matemáticas desenvolvidas a partir de estudos populacionais validados cientificamente. Tais fórmulas envolvem cálculos que seriam dispendiosos e enfadonhos para serem realizados pelos profissionais envolvidos na aplicação do teste, tornando-se necessária a utilização de softwares para a obtenção dos resultados. No entanto, o alto custo de softwares de avaliação física inviabiliza a sua aquisição, tornando-se necessária a implantação de ferramentas computacionais de fácil acesso e utilização para tais fins. Assim, com a presente proposta pretende-se elaborar um software de avaliação física que possibilite acesso livre e possa ser utilizado por estudantes e profissionais da área de Educação Física.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Gustavo Puggina Rogatto

Telefone: (35) 3829-1949

rogatto@def.ufla.br

 

RESPOSTAS AGUDAS E CRÔNICAS DO MÉTODO DE PRÉ-EXAUSTÃO COMPARADOS A UM MÉTODO CONVENCIONAL DE TREINAMENTO RESISTIDO Introdução: Os exercícios resistidos (ER) vem sendo a opção de muitas pessoas que tem como objetivo o aumento da qualidade de vida, além da estética e beleza. Na maioria das vezes os ER são escolhidos com intuito de aprimorar as capacidades físicas do sujeito, onde estas práticas trarão benefícios para um melhor desempenho em determinado esporte ou numa atividade da vida diária. Esses benefícios estão relacionados com as adaptações crônicas sofridas pelos músculos, induzindo o organismo a um aumento significativo de força máxima, hipertrofia, potência e resistência muscular localizada. Ainda que inúmeros trabalhos tenham se direcionado com o objetivo de sanar dúvidas a respeito das variáveis do ER, encontra-se poucas orientações referentes a sequência ou ordem dos exercícios num programa de treino. Objetivo: Assim, o objetivo do estudo é avaliar o método de Pré-exaustão no ER e compará-lo com um método convencional de treino, identificando suas respostas agudas e crônicas quanto aos diferentes ordenamentos de execução dos exercício. Metodologia: Serão avaliados aproximadamente 20 sujeitos com faixa etária entre 18 e 30 anos, todos do sexo masculino e com experiência em exercício resistido por pelo menos 12 meses. Os dados serão coletados em 5 momentos distintos com intervalos distintos entre eles onde no primeiro eles serão orientados a respeito da pesquisa, assinatura do termo de consentimento e avaliação do CVIM e determinação de 10RM. Na segunda visita os voluntários serão submetidos a um protocolo de treinamento convencional, já no terceiro dia eles executarão a avaliação da CIVM. Posteriormente, no quarto momento eles serão submetidos ao protocolo de pré-exaustão, seguido pelo quinto dia que será destinado ao processo de avaliação da CIVM. Conclusão: Espera-se identificar as respostas provenientes dos dois métodos de treino, respostas estas que poderão nortear uma prescrição mais segura de exercícios pelo educador físico, sendo que o mesmo, poderá ainda adotar estratégias para otimização de seus resultados.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Sandro Fernandes da Silva

Telefone: (35) 3829-5132

sandrofs@def.ufla.br

 

INFLUÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO DE INFUSÃO DE CAFÉ COM DIFERENTES GRAUS DE TORRA SOBRE ASPECTOS ENDÓCRINO-METABÓLICOS E DE DESEMPENHO DE INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS DURANTE EXERCÍCIO FÍSICO  

O objetivo do presente projeto é analisar a influência da ingestão de bebidas de café com diferentes graus de torração sobre aspectos de desempenho físico, percepção subjetiva de esforço e parâmetros bioquímicos de homens saudáveis submetidos a exercício físico em intensidade equivalente ao limiar anaeróbio. Dez homens jovens, saudáveis, não fumantes, fisicamente ativos e com baixo consumo de cafeína (<100 mg × dia-1 ) serão submetidos a um experimento cego onde ingerirão bebidas de café com diferentes graus de torração (clara, média e escura) 60 minutos antes da realização de séries de exercício físico em bicicleta ergométrica (em intensidade equivalente ao limiar anaeróbio) até a exaustão voluntária. Como condição controle, será administrada água no mesmo volume e temperatura. A ingestão de cada uma das quatro bebidas (água e bebida de café com três diferentes graus de torração) se dará de forma randômica em dias diferentes, respeitando intervalo de 96 horas entre cada condição. Antes e 60 minutos depois da ingestão das bebidas, parâmetros fisiológicos [frequência cardíaca, pressão arterial, saturação de oxigênio, glicose, lactato, insulina, triglicerídeos, ácidos graxos livres, colesterol, lipoproteína de alta densidade, lipoproteína de baixa densidade, creatina kinase, lactato desidrogenase, aldolase, aspartato aminotransferase, alanina transaminase, glutamilaminotransferase, mioglobina, troponina, cortisol e perfil gasométrico (pH, pCO2, pO2 e HCO3-)], psicométricos (percepção de esforço e de dor, e a experiência subjetiva relacionada ao exercício) e de desempenho (tempo de exaustão voluntária) serão avaliados. Todos os aspectos serão novamente avaliados no momento que os voluntários apresentarem exaustão. Será realizado teste Shapiro Wilk, análise de variância (ANOVA) fatorial 4×3 (os quatro tipos de bebidas ingeridas nos três tempos de coleta) e teste post hoc de Tukey. Para todos os tratamentos será considerado um valor de p<0,05.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Gustavo Puggina Rogatto

Telefone: (35) 3829-1949

rogatto@def.ufla.br

 

PRIVAÇÃO VISUAL E RESPOSTAS PSICOMÉTRICAS DE INDIVÍDUOS ADULTOS DURANTE EXERCÍCIO RESISTIDO  

O objetivo do estudo será avaliar se o desconhecimento da carga durante o desempenho de exercício resistido, realizado em diferentes intensidades, influencia nas respostas psicologias de adultos jovens fisicamente ativos. Participarão do estudo 15 indivíduos saudáveis do sexo masculino, com idade entre 18 e 30 anos e que estejam familiarizados com a execução de exercícios resistidos. Os instrumentos utilizados na coleta de dados serão: Escala OMINI-RES (Resistance Exercise Scale), Escala de autoeficácia Física e a Subjective Exercise Experiences Scale (SEES). Inicialmente os sujeitos serão submetidos as seguintes avaliações para caracterização da amostra. Cada voluntário comparecerá ao local de coleta de dados em nove momentos distintos com intervalo de 72 horas entre eles. Na primeira sessão será realizado o teste de 10RM, de forma a aferir a carga máxima para aquele número de repetições, de cada indivíduo no exercício Leg Press 45º bem como no exercício Supino Reto com Barra. No segundo momento, será realizado o sorteio para a definição da sequência da intensidade de exercício a ser executada em cada uma das sessões subsequentes por cada indivíduo. Após o sorteio, o indivíduo realizará seu primeiro teste. A primeira sequência de exercícios (primeiras 4 sessões) será realizada com a privação visual não tendo o conhecimento sobre as cargas de exercício. A sequência de 4 sessões posteriores serão as mesmas, porém, realizadas sem a privação visual. Tanto o exercício a ser realizado em Leg Press 45° quanto em Supino Reto com Barra, serão realizadas 4 séries de 10 repetições em cada uma das cargas relativas a 50%, 75%, 90% e 100% de 10RM, com intervalo para descanso de 1,5 minutos entre elas. Antes e depois de cada sessão de exercício será aplicada a PSE e antes e depois de cada uma das 4 séries serão aplicadas a OMINI-RES e a SEES. Os dados serão analisados aplicando-se o teste de Shapiro-Wilk para normalidade e para a comparação dos resultados serão utilizados os testes ANOVA e testes não-paramétricos quando aplicáveis. Será considerado p<0,05 para todas as análises. Os cálculos serão realizados utilizando-se software livre Bio Estat.

 

Coordenadora:

Profa. Dra. Priscila Carneiro Valim-Rogatto

Telefone: (35) 3829-5136

lappex@yahoo.com.br

 

EFEITOS DO FEEDBACK DE DESEMPENHO DA DANÇA EM VIDEOGAME ATIVO SOBRE AS RESPOSTAS PSICOLÓGICAS E MOTIVACIONAIS DE ADULTOS DURANTE O JOGO EM GRUPO  

O objetivo dessa pesquisa será investigar a influência do feedback de desempenho disponível no jogo de dança para videogame ativo sobre as respostas psicológicas e motivacionais de adultos durante o jogo em grupo. Será realizada uma pesquisa experimental com abordagem quanti-qualitativa com 60 adultos de ambos os sexos com idades entre 20 a 40 anos. Cada participante responderá o questionário para a caracterização da amostra contendo informações sobre idade, sexo, estatura, peso e sobre ter experiência prévia com determinadas atividades físicas e com videogames e, o questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) para estimar o seu nível de atividade física. Os voluntários serão divididos em grupos de quatro pessoas e cada grupo será submetido a duas sessões experimentais. Na sessão 1, o grupo executará os movimentos da música “Move Like Jagger” no jogo Just Dance 4 para Xbox. São 3’27’’ minutos de música na qual são realizados 13 movimentos de dança/ginástica. Os sujeitos terão acesso ao sistema de feedback do jogo composto por três tipos de informação visual: a) Figuras de Movimentos, b) Informação Individual de Desempenho e c) Nível de Desempenho. Na sessão 2, o grupo executará o mesmo procedimento realizado na sessão 1, porém não terá acesso ao sistema de informação do jogo. Em cada sessão, serão aplicadas a Subjective Exercise Experiences Scale (SEES) e a escala de percepção subjetiva de esforço de Borg (PSE) antes e depois da realização da atividade proposta. Durante a execução serão monitoradas a pressão arterial e a frequência cardíaca bem como o desempenho dos sujeitos tanto por meio da contagem de passos, distância percorrida e estimativa de gasto calórico, quanto pela pontuação atingida no jogo. Após o término de cada sessão, os participantes responderão o Inventário de Motivação Intrínseca (IMIp) e ao final das duas sessões experimentais cada grupo participará de uma entrevista conduzida utilizando-se da técnica do Grupo Focal.

 

Coordenadora:

Profa. Dra. Priscila Carneiro Valim-Rogatto

Telefone: (35) 3829-5136

lappex@yahoo.com.br

 

LIMIAR GLICEMICO E LIMIAR ELETROMIOGRAFICO NO EXERCICIO RESISTIDO  

Os Exercícios Resistidos (ERs) são prescritos levando em consideração diversas variáveis, entre elas a ação muscular, a carga de trabalho e a velocidade de execução. Antes do ganho de força, os estímulos aplicados ao aparelho locomotor desencadearão lesões musculares e é a partir delas que ele se reorganizará, aumentará a quantidade de massa e, por consequência, a produção de força, caracterizando este como um processo de adaptação ao treinamento. A influência destas lesões no desempenho de força, bem como, o questionamento do estímulo mais adequado ou não para melhor adaptação do músculo ao treino é tema de grande interesse na área do ER. Assim conhecer a carga de trabalho ideal para realização do exercício é um método eficaz para avaliar a intensidade e o estresse físico provocado pelo exercício. Objetivo: Assim o objetivo do estudo é investigar a possibilidade de determinação do Limiar Anaeróbio (LAn) no ER por meio da glicemia sanguínea e da atividade eletromiográfica. Metodologia: Serão utilizados 30 sujeitos entre 20 e 35 anos, do sexo masculino, atletas universitários, saudáveis, com experiência em exercícios resistidos por pelo menos 6 meses. Os dados irão ser coletados em três visitas, com intervalo de 72 horas entre elas, no primeiro dia os voluntários serão orientados a respeito da pesquisa, será aplicado um termo de consentimento, e será realizado um teste de 1RM e a avaliação antropométrica, na segunda visita os voluntários realizarão um teste progressivo para determinação do LAn, na terceira visita, será realizada uma avaliação da contração voluntaria isométrica máxima (CVIM) para realizar a normalização do sinal EMG. Conclusão: Espera-se identificar o LAn por meio da glicemia sanguínea e o limiar eletromiográfico (EMGTh) e assim correlacionar ambos os métodos, e validar um meio de fácil utilização para avaliação e controle do ER.

 

Coordenador:

Prof. Dr. Sandro Fernandes da Silva

Telefone: (35) 3829-5132

sandrofs@def.ufla.br

 

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA  

Coordenador:

Prof. Dr. Gustavo Puggina Rogatto

Telefone: (35) 3829-1949

rogatto@def.ufla.br

 

PROJETO DE EXTENSÃO EM INTERFACE COM A PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA: CINEMA COM VIDA: POR UMA EDUCAÇÃO DOS SENTIDOS E DA REFLEXÃO CRÍTICA A PARTIR DOS CLÁSSICOS DO CINEMA Coordenador:

Prof. Dr. Marcio Norberto Farias

Telefone: (35) 3829- 5133

marxio@def.ufla.br

 

RESPOSTAS CARDIOVASCULARES E SENSORIAIS APÓS DIETA HIPOGLICIDICA E ISOCALORICA  

Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829-5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

TESTES INTERMITENTES DE CAMPO PARA AVALIAÇÃO DA APTIDÃO ANAEROBIA EM JOGADORAS DE FUTSAL E HANDEBOL  

Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829- 5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

ADAPTAÇÕES CRÔNICAS DOS LIMIARES DE VARIABILIDADE DE FREQUENCIA CARDÍACA E LACTATO AO TREINAMENTO AERÓBIO INTERMITENTE NO DOMÍNIO SEVERO Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829- 5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

DETERMINAÇAO DOS LIMIARES DE TRANSIÇAO FISIOLÓGICA EM DIABÉTICOS ATRAVÉS DA GLICEMIA E DA VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA  

Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829- 5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

UTILIZAÇÃO DA ESCALA DE DIFICULDADE PERCEBIDA NA PRODUCÃO DA FALA NA AVALIAÇÃO AERÓBIA EM CICLOERGOMETRO (TALK TEST)  

Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829- 5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

PERFIL DE ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E FATORES ASSOCIADOS À QUALIDADE DE VIDA EM ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS Coordenador:

Prof. Dr. Gustavo Puggina Rogatto

Telefone: (35) 3829-1949

rogatto@def.ufla.br

 

LIMIARES DA GLICEMIA, LACTATO E VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA EM DIABÉTICOS  

Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829- 5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

LIMIARES DE TRANSIÇÃO EM TESTE DE QUADRA PARA ATLETAS DE BASQUETEBOL EM CADEIRAS DE RODA  

Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829- 5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

A INFLUÊNCIA DE BETA-GLUCANOS PRESENTES EM INFUSÃO DE RHYNCHELYTRUM REPENS NA REGULAÇÃO AUTONÔMICA DE RATOS DIABÉTICOS EM EXERCÍCIO.  

Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829- 5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

LIMIAR DE VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA EM DIFERENTES PROTOCOLOS ERGOMÉTRICOS  

Coordenador:

Prof. Dr. Fernando Roberto de Oliveira

Telefone: (35) 3829- 5134

deoliveirafr@def.ufla.br

 

INFLUÊNCIA DA INTENSIDADE DE ESFORÇO SOBRE AS RESPOSTAS METABÓLICAS E ENDÓCRINAS DE HOMENS FISICAMENTE ATIVOS  

Coordenador:

Prof. Dr. Gustavo Puggina Rogatto

Telefone: (35) 3829-1949

rogatto@def.ufla.br

 

IDADES DE INICIAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ESPORTIVA E A RELAÇÃO COM O DESEMPENHO COMPETITIVO  

Coordenador:

Prof. Dr. Alessandro Teodoro Bruzi

Telefone: (35) 3829-1698

bruzi@def.ufla.br

 

CARACTERIZAÇÃO DOS TIPOS DE PUBLICAÇÕES EM LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE A TEMÁTICA ESPORTE  

Coordenador:

Prof. Dr. Alessandro Teodoro Bruzi

Telefone: (35) 3829-1698

bruzi@def.ufla.br